[Farsa] Desmentindo mensagens subliminares Disney

Não é novidade para ninguém que na internet existem muitas informações falsas e boatos infundados sobre os mais diversos assuntos. Muitas delas são resultados de mal entendidos, outras apenas de pessoas ligeiramente desocupadas que disseminam mentiras e absurdos sobre o que querem. Um dos boatos mais antigos da internet é a presença de mensagens subliminares nos filmes da Disney, supostamente induzindo crianças ao assassinato, homossexualidade, adoração ao diabo e outras “heresias”, com ênfase nas aspas. Essa matéria, originalmente escrita em 2009 e revisada no dia 23 de fevereiro de 2012, visa compilar os maiores absurdos relatados sobre os filmes da produtora, que pode ser acusada de muitas coisas, mas não de mensagens subliminares inexistentes em seus filmes.

O REI LEÃO
“Eu sou bicha”

Esse boato ficou bastante famoso após uma cena do filme ter sido colocada no YouTube. No próprio título do vídeo, que contém uma cena da versão dublada de The Lion King, é divulgado que o personagem Scar diz a frase “não, vocês não compreendem, eu sou bicha!”. No original em inglês, a frase é “you don’t understand, no, no, I didn’t mean it!“. Dessa forma, podemos concluir que para qualquer um que não possui problemas de audição, a frase verdadeira da cena pode ser ouvida: “não, vocês não compreendem… eu não disse aquilo!

Cena original (aos 2:26)

Versão dublada


O REI LEÃO
John Smith, criador do Scar

Ainda sobre Scar, diversos sites, como o famoso Mensagem Subliminar, relatam que o personagem foi criado por um homossexual chamado John Smith, falecido de Aids pouco após o lançamento do filme. O problema é que John Smith é um nome equivalente ao “João Silva” brasileiro, algo genérico, utilizado como nome falso. Mesmo assim, decidi pesquisar sobre pessoas com esse nome relacionadas à Disney, e tudo que encontrei fora de sites de fontes confiáveis foi o personagem homônimo de Pocahontas. Nessa busca, encontrei o site de um suposto ex-satanista(*), que continha pôsteres de filmes Disney adulterados da forma mais porca e amadora possível. Um exemplo:

Seria uma perda de tempo tentar desmentir qualquer coisa dessa imagem quando o pôster original pode ser visto na íntegra:


Estão vendo o pênis de Simba, os elefantes fazendo sexo e o rosto do inexistente John Smith no pôster? Pois é, eu também não.

*O verdadeiro Satanismo, ao contrário do que o conhecimento ignorante dos fanáticos religiosos dissemina, não faz rituais satânicos com sacrifícios humanos, considera Satã como a própria natureza e tem como lema “faça o bem ou não faça nada”. Ou seja, é um pouco improvável que o criador do site tenha sido um deles, como afirma.


O REI LEÃO
SEX

Como podemos ver, o clássico da Disney inspirado em Kimba, de Osamu Tezuka, foi uma das maiores vítimas em matéria de mensagens subliminares falsas. A história espalhada na internet é a que uma criança de 4 anos estava assistindo The Lion King em vídeo, e percebeu que em determinada cena, quando Simba cai em um campo, levantando uma nuvem de poeira, tal poeira formava a palavra “S-E-X”. Após assistir a cena, a criança contou para sua mãe (ou tia, dependendo da versão da história), que notificou uma organização religiosa chamada American Life League. Tal organização já estava boicotando a Disney há algum tempo, e tal afirmação caiu como uma luva para a criação de mais boatos infundados. O problema é: como uma criança de QUATRO anos conseguiu formar a palavra sex? Isso ninguém se deu ao trabalho de explicar.
A verdade: a palavra formada é S-F-X. (abreviação comum para Sound Effects). A letra “F” está se desmanchando, assim como as outras, e isso faz com que pareça, para alguns, um “E” inclinado. O grupo de animadores responsável pela criação de The Lion King afirma que isso foi apenas uma “assinatura” da equipe criadora dos efeitos animados e sonoros do filme. Quem não está familiarizado com o rumor, não consegue identificar a palavra SEX em momento algum. Além disso, há varias adulterações dessa imagem na internet, fazendo parecer com que a palavra nas nuvens é de fato “SEX”; para eliminar dúvidas, fiz um gif retirado da versão original do filme, de 1994, onde o polêmico frame aparece:

A formação da palavra SFX faz ainda mais sentido do que SEX, como pode ser visto na imagem abaixo:


A baixa qualidade da imagem se deve ao fato de que foi capturada da versão original do filme, lançada em 1994 nos formatos VHS e Laserdisc. Após toda a polêmica causada pelo frame, ele foi removido nos lançamentos posteriores de The Lion King, como podemos ver no gif feito por mim logo abaixo, retirado da versão Bluray do filme:

Caso qualquer pessoa afirme que viu a formação de qualquer palavra nas versões DVD, Special Edition, Bluray ou 3D do filme (em outras palavras, qualquer versão que não seja a original de 1994, lançada em VHS e Laserdisc), será bastante impossível de acreditar, já que o frame simplesmente não existe nessas edições.


ALADDIN
“Good teenagers take off your clothes”

Essa também ficou famosa graças ao YouTube. O que pode ter sido um problema de audição do inventor do boato se propagou por toda a internet. O que poucas pessoas percebem é que o cérebro capta esse tipo de informação de forma simples; se alguém afirmar que ouviu uma determinada mensagem em um vídeo ou áudio com uma frase pouco compreensível, é bastante provável que outras pessoas, ao saberem dessa afirmação, ouvirão exatamente o mesmo por osmose, mesmo não sendo verdade. Esse fenômeno é chamado de mondegreen em inglês.
A frase dita por Aladdin, que pode ser vista no script original do filme, é “good kitty… take off!“. Mesmo que seja um caso de mishearing, me parece difícil confundir kitty com teenager. Assista o vídeo e tire suas conclusões:

Segundo o site Snopes, especializado em desmentir lendas urbanas da internet, houve sim um erro da Disney nessa cena; duas faixas de voz que foram juntadas acidentalmente durante a edição, e talvez por isso ela possa parecer estranha. Mas não, Aladdin não pediu para bons adolescentes tirarem as roupas em momento algum.


A PEQUENA SEREIA
O padre excitado

Um dos boatos mais famosos de mensagens subliminares na Disney. Graças a um rumor espalhado pela American Life League (sempre eles…), foi informado por muitos sites que na cena do casamento de Vanessa (embora muitos sites desinformados tenham dito que a personagem é Ariel; qualquer um que de fato assistiu o filme sabe que isso não é verdade) e Príncipe Eric, o padre responsável pela cerimônia possui uma breve ereção. Na verdade, o que foi reportado como ereção é seu joelho. Anteriormente, na primeira versão dessa matéria, eu havia reportado que era o movimento da batina do personagem, mas ao rever o filme, reparei que não era o caso. Uma cena posterior do filme prova mais ainda que se trata de um joelho, e elas podem ser vistas logo abaixo:

Nas versões mais recentes do filme, após tanta polêmica, o joelho do personagem foi retirado na cena.

Graças a esse boato, uma mulher do Arkansas, Janet Gilmer, chegou a processar a Disney, afirmando que o filme possuía uma mensagem sexual explícita e não era apropriado para crianças de alguma forma. Gilmer abandonou o processo dois meses depois.


A PEQUENA SEREIA
Formato fálico no pôster

Um dos pôsteres de The Little Mermaid, mais precisamente o de sua versão VHS, foi acusado de ter referências sexuais, mais precisamente em um dos pilares no palácio ao fundo: segundo muitas pessoas, é possível ver um pilar em formato fálico. A lenda diz que tal formato foi desenhado por um artista prestes a ser despedido do estúdio, que indignado com a situação da Disney, deixou essa “marca” no pôster.
Na verdade, o artista em questão não estava indignado com nada e tampouco estava prestes a ser despedido. Procurado pelo site Snopes (em inglês), famoso por desmentir rumores e lendas urbanas, o artista (que desenhou toda a arte promocional de The Little Mermaid, incluindo cartões, CDs, lancheiras, pôsteres, capas dos lançamentos em vídeo, etc) afirmou que não passou de um infeliz acidente; na pressa para completar o artwork do pôster do filme, ele adicionou alguns detalhes no desenho e, sem perceber, acabou desenhando uma coluna no palácio que tinha uma certa semelhança ao formato de um pênis. Ele desconhecia a controvérsia que isso gerou até um membro de seu grupo da Igreja ter ouvido falar no rádio e comentar com ele sobre o ocorrido.


Clique para ampliar

O fato é que qualquer objeto em formato cilíndrico poderá se parecer com um pênis, dependendo dos olhos e da mente maliciosa de quem vê a imagem. Como podemos ver, a mão de Eric também não está em nenhum lugar suspeito, e sim atrás de uma pedra, e a outra em sua perna. E ao contrário do que a lenda diz, tal formato “fálico” não foi adicionado somente na capa da versão em vídeo de The Little Mermaid. Ela estava lá desde um dos artworks originais do filme, que apesar de algumas diferenças em relação a capa do VHS, é essencialmente a mesma. Em lançamentos posteriores, tal formato foi removido devido a controvérsia, e nos relançamentos em DVD as capas são totalmente diferentes.


BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
Símbolo satânico

Esse boato não é tão famoso (somente no Brasil, país onde ele surgiu), mas trata-se de de uma cena do filme Snow White and the Seven Dwarfs (Branca de Neve e os Sete Anões), o primeiro longa metragem da empresa. Segundo essa farsa, a protagonista faz um sinal “satânico” (os famosos chifrinhos do metal) para se proteger. Porém, na época em que o filme foi produzido, não só o símbolo (popularizado pelo grande músico Ronnie James Dio como um símbolo do metal) não existia, como também o símbolo não possui conotação satânica. Na maioria dos países, o sinal dos chifres serve para afastar má sorte – lembrando que Branca de Neve acredita estar prestes a ser assassinada. O símbolo só passou a ser associado com satanismo por alguns nos anos 70, e o filme é de 1937. Leia mais informações sobre o símbolo aqui (em inglês).


HERCULES
“Jesus”

Esse boato ganhou força recentemente, ao ser publicado em diversos sites religiosos e com um vídeo no YouTube que supostamente “prova” a mensagem. Hades, o senhor dos mortos na mitologia grega e brilhantemente interpretado por James Woods na versão Disney da história, é apontado como o disseminador de uma mensagem de ódio a Jesus, de forma subliminar, através das chamas que saem de seu corpo, que formam o nome do filho de Deus na mitologia cristã. Além disso, uma imagem adulterada, na qual aparentemente é possível ver o nome de Jesus nas chamas, foi bastante divulgada na internet. Na verdade, como a imagem abaixo prova, a formação do nome não é possível de forma alguma:

A única parte do fogo que lembra uma letra está à direita, lembrando muito a letra S. Porém, nenhuma das outras partes do efeito lembram uma letra sequer do alfabeto. E mesmo se fosse o caso, devo lembrar que Jesus é o equivalente de Hercules na mitologia cristã, e portanto, faria sentido que Hades, vilão da trama e que é derrotado por Hercules no fim, o odiasse. Mas não só o nome de Jesus é impossível de se formar no fogo, como também é mais fácil para os mais ignorantes acusarem de mensagens subliminares inexistentes do que verificar o contexto da situação.
Também foi reportado que Hades afirma que “eu estou prestes a reorganizar o universo e o único idiota que pode me impedir está vagando por aí“. Muitos sites parafrasearam a imagem informando que ele dizia que “Jesus estava vagando por aí”. A frase original é parecida, mas não faz parte do mesmo contexto: “I’m about to rearrange the cosmos and the one schlemiel who can louse it up is waltzing around in the woods?“.


A BELA E A FERA
Caveira nos olhos de Gastão

Não há o que desmentir nessa história, pois é verdade. Calma; a caveira realmente aparece nos olhos do personagem Gastão (Gaston, no original). Porém, todos os sites com matérias de mensagem subliminar divulgam como se fosse uma mensagem de adoração ao demônio, o que não é verdade. Gastão é um dos personagens mais crueis, covardes e repugnantes de todos os filmes da Disney, e a caveira em seus olhos está lá para simbolizar o mal que ele representa. Porém, Gastão é devidamente punido por tudo que fez, ao acidentalmente cair para sua morte no final do filme, momento em que a caveira aparece em seus olhos. Não se trata de uma mensagem subliminar, mas de licença artística.


Encontrei vários outros boatos na Internet sobre Disney, mas esses sequer são passíveis de menção, tamanha a absurdez dos tais. Como outras referências, indico a leitura de sites como o Snopes, que como disse anteriormente, é muito bom em desmentir boatos e lendas urbanas. Esse blog publicou um post muito bom sobre o suposto “gato demoníaco” de Cinderella, o Lúcifer. Para quem quiser rir um pouco, recomendamos a leitura desse site, com os pôsteres Disney mais ridiculamente alterados que já vi.

Lembrando que o único caso real de uma mensagem subliminar envolvendo sexo em um filme Disney foi no filme The Rescuers (Bernardo e Bianca no Brasil), onde em determinada cena, um pôster quase imperceptível que lembra muito uma mulher nua aparece por cerca de alguns milésimos. A própria Disney reconheceu isso e tratou de remover as fitas do filme de circulação, para a alteração própria da imagem (cujos animadores realmente não sabem como foi parar ali). Curiosamente, sites começaram a divulgar o fato somente depois que a Disney anunciou o recall do filme.

É interessante como as pessoas se deixam enganar por lendas urbanas, boatos, pseudo-mensagens subliminares, histórias inexistentes sobre as animações, mas se esquecem que os filmes Disney possuem excelentes mensagens, nada subliminares, sobre afeto, amizade, respeito, aceitação independente da raça, crença e até mesmo sexualidade, e responsáveis pela diversão de milhões de pessoas, de qualquer idade, no mundo inteiro.

Uma última mas importante nota: Walt Disney, vítima de tantas acusações falsas de satanismo, era cristão da Igreja Congregacionalista.